Warning: include_once(/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php): failed to open stream: Permission denied in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 212

Warning: include_once(): Failed opening '/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php' for inclusion (include_path='.:/usr/local/lib/php:/usr/local/php5/lib/pear') in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 212
// LanuxLand 101
Too lazy to be ambitious, I let the world take care of itself. Ten days' worth of rice in my bag; a bundle of twigs by the fireplace. Why chatter about delusion and enlightenment? Listening to the night rain on my roof, I sit comfortably, with both legs stretched out. - Zen Master Ryokan (1758–1831)

Mango Stillness

Posted: April 1st, 2010 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Depois da tempestade, o depois.

Sem se preocupar com o chegar, você percebe que nunca saiu.


There’s no daffodil

Posted: March 25th, 2010 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

O laranja do tempo não enobrece ninguém, muito menos a poeira acumulada do conhecimento alheio.

- A folha cai, a grama cresce, a água aveluda a pedra. Onde está o problema?

Trovão, orvalho, e nesse exato momento, o barulho do ar-condicionado…


Menos é menos

Posted: March 24th, 2010 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Nada é certo
As coisas nascem para dançar
E grudam seus significados da boca
De quem tem o que fazer.


Colgate Tchai

Posted: March 16th, 2010 | Author: | Filed under: Textos | 1 Comment »

Como todo entardecer de terça-feira que se preze, chove ali.

E aqui um gosto de pasta de dente atenua.

Não acredito em arte, trabalho ou plaquinhas explicativas.

Acredito no barulho do vento, em você.

Acredito em boa vontade, bem querer.

E só.


Sim, como não

Posted: March 15th, 2010 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Imperfeitos, impermanentes, incompletos: meus dias são puros poemas de céu e terra.

- Você nunca mais me disse nada, monge…
- …

Ao ouvir sua voz interior, esqueça-a.


Daqui de cima

Posted: March 3rd, 2010 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Ela estava linda naquele dia de multidão e feriado. Cheia de óculos, como eu gosto. Deixava aquele ar, eu sou melhor do que você. Eu sei.


Non personal awareness

Posted: February 23rd, 2010 | Author: | Filed under: Textos | 2 Comments »

O tempo deita na rua e deixa os outros passarem.

Vamos lá, ele diz. Pra onde, ela responde sem perguntar.

Investigo o pôr-do-sol, mas ele sempre me responde com um sorriso amarelo, daqueles mais belos…


Shhhhh!

Posted: February 22nd, 2010 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »
Sem demostrar vontade própria a vida me acaricia o peito e nisso encontro sossego.
- Você o ama?
- Eu amo. É maior que isso.
O tempo deita na rua e deixa os outros passarem.
Ela investigo o pôr-do-sol e ele sempre a responde com um sorriso amarelo. Daquele mais belos.

Sem demonstrar vontade própria, a vida nos acaricia o peito. Nisso se encontra todo o sossego.


Hara Gestalt

Posted: December 7th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | 2 Comments »

Comeu um tempurá de flor-de-lótus e ficou mareado, sem esperar.

Tem problema não: poesia de vida que é boa, dá jeito em tudo.

- Devo a ela minha redenção.

- Deve não…

A completa anarquia interior ainda é o melhor remédio.


Pianoforte in A Sharp

Posted: November 23rd, 2009 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

As laranjas-cravo do meu quintal florescem em pés-de-canela dos mais antigos.

Inigualáveis, já nascem perfumando a brisa, sem pedir permissão.

A verdade lá, a falta de dúvidas aqui.

E nesse beijo bom, o barulho do papel amassado impera.


Alcachofra heart

Posted: November 11th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | 1 Comment »

O meu mundo dói nos outros e talvez um pouco mais em mim. Na agressividade inerente, o cheiro acolhedor de outros tempos: “If you have the courage to touch life for the first time, you will never know what hit you.”

Não tenho mais opiniões significativas. Tenho ruídos vazios, sem quês, nem porquês.

- Quando a vida se vai, o sabor vai junto?


Waves that vary in frequency and amplitude

Posted: October 10th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Se uma árvore cai na floresta e ninguém está por perto para ouvir, ela produz som ou não?

- Não importa!

O sentir do sentar, o sabor do café, o cheiro do dormir.

A clareza só é possível àqueles que não têm conclusões.


Amarena sabor pistache

Posted: September 25th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »
O cheiro e a poeira do ar-condicionado avisam que mil budas nascem e morrem a cada milésimo de segundo, não importa onde.
- E a vida é perceber que qualquer coisa não passa de um koan…
- O cheiro da laranja-cravo…
O espaço do ser sempre soube.

O som e a poeira do ar-condicionado avisam que mil budas nascem e morrem a cada milésimo de segundo, não importa onde.

- E que viver é perceber que qualquer coisa não passa de um koan

- O cheiro da laranja-cravo…

O espaço do ser sempre soube.


Just this beauty

Posted: September 25th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Felicidade? Perguntaram-me por telefone mas preferi deixar quieto. É que tudo na vida foi feito para não ser levado a sério.

Temporário, impermanente, interdependente… o limão é azedo, a laranja é doce.

- Não se agarre, my dear

Permitir ao tempo passar sobre sua quietude inerente: rio parado deixa os peixes com cãibra.


Endless

Posted: June 29th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Um sorriso ao menos. Um olhar ao lado.

Tanto por tão pouco. Parece.

Mas não é.

Jacaré sem calda não tem bicho de pé.


Belly button

Posted: June 29th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Certas situações cansam e parecem que não acabam nunca. Sobra o tempo, a vontade, algumas borboletas na barriga e a mente na imensidão. E daí?

- Quando eu me for, essa certeza vai me acompanhar?

- Se você aprender a esperar, monge, a espera se transforma na sua resposta.

-…

Quando tomo chá, eu sou a xícara, eu sou o chá… mas mesmo assim, há uma verdade maior:  eu queria muito ter uma almofada doce, igualzinha ao teu colo.


Joyous acceptance

Posted: May 26th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | 2 Comments »

Sexta, sábado, quarta, quarto de manhã.

Manoela sorri, olhando o dia, em um desencanto feliz.

Se fosse diferente seria melhor?


Joshu

Posted: May 9th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Se ainda fosse, mas não.

Toda pergunta é sem resposta.

Uma beleza só.

Ele abre a boca e mostra o coração.


Beginningless

Posted: April 24th, 2009 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Não tem comparação. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é.

- Ele perguntou o que eu achava e eu respondi.

- A verdade?

- Não. Algo ainda mais importante.

- …

O saxofone soa como um pato e o trompete como um ganso.


Quando

Posted: April 22nd, 2009 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Nem sempre é assim

Os bons livros

Queimam devagar no inverno