Warning: include_once(/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php): failed to open stream: Permission denied in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 210

Warning: include_once(): Failed opening '/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php' for inclusion (include_path='.:/usr/local/lib/php:/usr/local/php5/lib/pear') in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 210
// LanuxLand 101 » 2010 » September
Too lazy to be ambitious, I let the world take care of itself. Ten days' worth of rice in my bag; a bundle of twigs by the fireplace. Why chatter about delusion and enlightenment? Listening to the night rain on my roof, I sit comfortably, with both legs stretched out. - Zen Master Ryokan (1758–1831)

Useless

Posted: September 22nd, 2010 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Aberto, exposto, sem nuvens. Um louco ainda querendo ser, mas por pouco.

Senta e prevê: quando todas as máscaras caem, o que resta é um sorriso.


Pelo sim, pelo não

Posted: September 21st, 2010 | Author: | Filed under: Textos | 1 Comment »

Viver fora do tempo tem suas peculiaridades. É feito canto de bentevi igualzinho: os momentos todos juntos se entreolham sem pé nem cabeça.

Não preciso do fim para chegar. – Ele disse.

Ela sorriu.

No meio de cada pessoa existe o ser sem centro nem periferia.


Mar interno

Posted: September 16th, 2010 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Desempedida como o espaço universal, ela dança esbanjando sua espontaneidade-chuva. Perguntar pra quê, ela pergunta.

Dentes de musgo crescem sobre a pele seca: o coração avisa que é chegada a hora.


Luminância

Posted: September 15th, 2010 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

As pessoas-fenômeno falam discussando de uma maneira tão cheia de vazios que eu me pego querendo ser assim. Estúpido. Discordante. Entediante. Desenvolto.

Desejo ser louco e gritar sem ter porquê. Mas não rola. Ou demora. Acho que só os loucos entendem, de verdade, que no mundo, na vida e no amor, não há nada para ser entendido. O morrer explica tudo.

Mar plácido, formigas em festa.

Aqui, esperando, tento não cair nas minhas próprias conversas, nem deixar que elas caiam de mim.