Warning: include_once(/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php): failed to open stream: Permission denied in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 211

Warning: include_once(): Failed opening '/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php' for inclusion (include_path='.:/usr/local/lib/php:/usr/local/php5/lib/pear') in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 211
// LanuxLand 101 » 2008 » September
Too lazy to be ambitious, I let the world take care of itself. Ten days' worth of rice in my bag; a bundle of twigs by the fireplace. Why chatter about delusion and enlightenment? Listening to the night rain on my roof, I sit comfortably, with both legs stretched out. - Zen Master Ryokan (1758–1831)

Lotus feet, 21

Posted: September 18th, 2008 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

Além do sim e do não, dobrando a esquina, há um lago azul-baunilha onde coelhos transparentes recitam mantras luminosos e flutuam adocicados com suas pernas-de-pau sobre as orelhas.

Let it be.

Look inside.

Nem tente.

No café com leite diário do meio da tarde, faça frio ou samba, o açucar mascavo é de praxe por ali.


Deathless as a dead bird

Posted: September 4th, 2008 | Author: | Filed under: Textos | 2 Comments »

Há uma diferença entre eu e você, que não conta realmente, mas que no fundo é nossa única similaridade.

Pois quando o vento se esgueira pela fresta da porta, nas manhãs frias, acordando quem não merece ser acordado, e a poeira se acumula sobre o balcão das pedras de estimação, fazendo festa para quem ama espirrar paredes, tudo se acalma aqui e aí, cada vez mais. Um acalmar de fim de mundo, barulhento, doído e inefável, como todo estar passageiro.

- That kind of tune, darling… you know.

Minha garganta é tão pequena que cabe todo o universo e até um ranço. E mesmo que essa escova de dentes se mova sem me questionar para onde, e uma face envelheça no espelho todas as noites sem pedir perdão, a beleza do ordinário só me parece aumentar, dia após dia, um segundo de cada vez.

Nem bom, nem ruim.

Feito dizer um sim, sincero e destemido: nada de realmente novo ou velho em mim, em você.

Tempo bom é o que passa, eu sei… e toda vida é só, sempre bom lembrar, deus na sua mais pura essência. Done!

So what?