Warning: include_once(/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php): failed to open stream: Permission denied in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 211

Warning: include_once(): Failed opening '/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php' for inclusion (include_path='.:/usr/local/lib/php:/usr/local/php5/lib/pear') in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 211
// LanuxLand 101 » 2007 » September
Too lazy to be ambitious, I let the world take care of itself. Ten days' worth of rice in my bag; a bundle of twigs by the fireplace. Why chatter about delusion and enlightenment? Listening to the night rain on my roof, I sit comfortably, with both legs stretched out. - Zen Master Ryokan (1758–1831)

Abide, dwell, flower

Posted: September 17th, 2007 | Author: | Filed under: Textos | 4 Comments »

Deitar em você é descansar num entardecer que não pára nunca. Nem sim, nem não: nem repouso, nem movimento. Onde a gente começa e tudo termina?

Pausa.

Mais éons, menos éons e você um dia vai se entender que não há nada sobre o que estar. Você, o mundo e o estar não são pensamentos confiáveis, acredite.

- Eu vou chegar lá pela prática.
- Toda prática é de mentira, monge.
- Bah, cansei… você não acredita em coisa alguma… do que adianta?
- E se a gente não acreditasse em coisa alguma? E se todas as nossas crenças se dissolvessem agora? Se nós, simplesmente, as deixássemos cair… o que sobraria?
- …
- Toda prática é de mentira, monge.

Um dia, uma hora, hoje, nesse exato momento.


Quem te fala, te aceite

Posted: September 10th, 2007 | Author: | Filed under: Textos | 4 Comments »

Barulho surdo na rua de uma sexta-feira plácida. Vontade morta, comércio vivo.

O homem sentado no meio fio contempla consciente os navios do trânsito, mas não percebe a jovem que o observa do outro lado da rua.

Atravessar: mini saia primaveril e encaracolados silenciosos bailando no caos.

Quando ela passa ao lado, Mateus levanta a mão:

- Tens um trocado não, moça bonita?

- Tenho…

- Eu também – ele emenda – quanto queres tu por um sorriso?

- …

Começa a chover bem fininho.

Entre a frieza das gotas molhando os falsos egos presentes, as moedas resolvem parar na mão estendida, e o sorriso, nas bocas desacreditadas.