Warning: include_once(/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php): failed to open stream: Permission denied in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 212

Warning: include_once(): Failed opening '/home/lanuxland/lanux.com.br/wp-content/plugins/wordpress-support/wordpress-support.php' for inclusion (include_path='.:/usr/local/lib/php:/usr/local/php5/lib/pear') in /home/lanuxland/lanux.com.br/wp-settings.php on line 212
// LanuxLand 101 » 2006 » May
Too lazy to be ambitious, I let the world take care of itself. Ten days' worth of rice in my bag; a bundle of twigs by the fireplace. Why chatter about delusion and enlightenment? Listening to the night rain on my roof, I sit comfortably, with both legs stretched out. - Zen Master Ryokan (1758–1831)

Cães escorridos ladram e muito

Posted: May 20th, 2006 | Author: | Filed under: Textos | 4 Comments »

Lembra daquela vez que a gente começou a correr feito dois loucos na praça em frente a tua casa? Era um desses feriados nonsense de esquina, lembra? A gente estava numa sombra calma, na grama… você deitada, com a cabeça no meu colo, um cara vendendo CDs piratas e aquele cheiro de nuvem no ar… Lembro bem. Lembro certinho na hora que aquela senhora idosa, andando macio, passou carregando um balão de aniversário azul… Caralho, que sensação aquela… tudo pareceu tão pertinho…

Sabe, Mia, a vida é feito liberdade que se encontra no último pedaço de um baton garoto… aquela sensaçãozinha de vazio, mas que de vazio não tem nada… coisa de percepção, de supresa e atenção… quando você imagina, não deu tempo nem de dizer como foi…


Asthanga mode

Posted: May 10th, 2006 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

- Ela parece que carrega uma lua cheia no olhar, sacolé?
- Não… sei não, cara…
- Mas é… mulher assim é bom porque cansa. É um exercício de vida, cumpadre…
- …


Tente, mas não muito

Posted: May 6th, 2006 | Author: | Filed under: Textos | No Comments »

É ali pertinho. Casa verde, pé de planta frutífera na frente, percevejos e besouros soldadinhos em bares de jardim.

Naquela tarde laranja ela disse, “Vem! Que se chamar tem sempre alguém que responde…” e eu nem nem.

Deve ter sido algo amargo que comi quando miúdo. Meus dias são feitos de coragem enlatadas em temor. E a pergunta estaciona: O medo é feio porque sente o que?